Frente Corretora lançou no início do ano um novo serviço aos seus clientes e parceiros que une comodidade com acessibilidade. Por meio de um acordo com a rede ATM Brasil, a empresa de câmbio habilitou a função de saque de moedas estrangeiras, como euro e dólar, em caixas eletrônicos localizados estrategicamente em shopping centers e aeroportos.

 

Segundo Ricardo Baraçal, sócio da Frente Corretora, o ATM é um complemento do que a empresa busca para uma solução eficiente ao cliente independente. É um serviço que chegou não apenas para facilitar as liquidações, mas também para barateá-las.

 

“A gente sabe que as taxas são muito altas nos bancões. E temos o objetivo de democratizar esse modelo. A gente quer dar acesso a pessoas que queiram comprar moeda estrangeira e que não sejam clientes do Itaú, do Bradesco ou do Banco do Brasil, afirmou Baraçal para o Money Times.

 

O saque de moedas estrangeiras em ATMs também foi desenvolvido com a finalidade de mitigar alguns problemas. O sócio destacou que a modalidade de delivery da moeda cresceu no Brasil nos últimos anos, muito por conta da comodidade, mas possui dificuldades de aplicação nos grandes centros devido à demora da entrega e aos índices elevados de roubo.

 

“Por mais que o cliente tenha que se deslocar até um ATM, a gente sabe que é muito mais seguro ele sacar moeda estrangeira no shopping center”, afirmou.

 

Um passo à frente

O cenário para o setor de turismo se encontra atualmente nublado. Com o agravamento da pandemia de Covid-19, o que levou a restrições de deslocamento, poucas pessoas estão viajando para o exterior. Mas, em vez de olhar para a situação como um potencial risco para a nova solução, Baraçal chamou atenção para as oportunidades futuras do mercado.

 

 

“A gente espera uma retomada muito forte, principalmente no último trimestre de 2021”, disse. “A nossa percepção é de que, de fato, esse produto vai ter uma adesão muito grande, justamente pela dificuldade de uma pós-retomada do mercado, até porque, quando a gente olha para as lojas de câmbio situadas em shopping centers em grandes centros, muitas delas fecharam”.

 

Em relação à crescente digitalização do setor financeiro, Baraçal afirmou que a Frente Corretora ainda tem um público seletivo, formado principalmente por pessoas mais velhas, que gosta do papel-moeda, o que cria uma demanda muito grande pela solução.

 

Atualmente, o projeto está em fase piloto. São quatro ATMs em funcionamento espalhados em aeroportos de São Paulo e Rio de Janeiro. Clientes da corretora e de seus parceiros e correspondentes cambiais, ao adquirirem dólar ou euro pela plataforma digital Simple, poderão escolher retirar a moeda na rede de caixas eletrônicos, sem qualquer custo adicional.

 

A expectativa é de que o serviço seja expandido gradualmente. O próximo passo é instalar a solução em algumas capitais das regiões Sul e Nordeste. A operação deve crescer ao longo de 2021 e, mais para frente, cobrir todo o país, totalizando 300 ATMs habilitados.

 

A Frente Corretora também tem planos de internacionalizar esses ATMs, transformando-os em pontos de liquidação para brasileiros fora do Brasil que queiram, por exemplo, transformar as suas moedas estrangeiras em reais.

 

“O nosso plano é que, uma vez retomando as atividades, a gente tenha o maior ponto de liquidação do Brasil em moeda estrangeira”, comentou Baraçal.

pt_BR