+55 11 4200-0850

Ouça o nosso podcast com o resumo da semana do dia 05 ao 09/10, disponível também pelo YouTube e Spotify:

 

 

 

Notícias da semana

 

Mercado mundial

 

ABERTURA: Ibovespa futuro começa com ganhos puxados por exterior

A jornada desta quinta-feira inicia com ganhos para o índice futuro do Ibovespa, que soma 0,37% aos 95.982 pontos às 09h20. No caso do dólar, a moeda americana recua 0,24% a R$ 5,5964.

 

O mercado terá mais um dia com as expectativas de um acerto entre o governo do presidente americano Donald Trump e o Congresso pela extensão do programa de estímulos econômicos contra o impacto da pandemia do coronavírus. Leia mais

 

 

Mercado externo

 

Moral do investidor da zona do euro piora em outubro, diz Sentix

O sentimento dos investidores da zona do euro se deteriorou em outubro, encerrando uma série de cinco altas mensais consecutivas, mostrou uma pesquisa nesta segunda-feira, sinalizando preocupações com o aumento das infecções por coronavírus na região.

 

O índice Sentix para a zona do euro caiu para uma leitura de -8,3, ante nível de -8,0 em setembro. A previsão da Reuters era de uma leitura de -9,5. Leia mais

 

 

Ações europeias sobem com apoio de empresas de viagens e publicidade

 

As ações europeias avançavam nesta quinta-feira, juntando-se a uma recuperação global na esperança de mais estímulos dos Estados Unidos, com recomendações de corretagem positivas de empresas de publicidade e uma previsão otimista da GVC Holdings alimentando o clima favorável.

 

Às 8:03 (horário de Brasília), o índice FTSEEurofirst 300 subia 0,6%, a 1.423 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhava 0,68%, a 368 pontos, pairando perto de uma máxima em duas semanas atingida no início desta semana. Leia mais

 

 

Mercado interno

 

Focus: Mercado eleva mais uma vez expectativas do PIB e do IPCA para final do ano

Nesta segunda-feira (5), o Banco Central divulgou, mais uma edição do Boletim Focus, com os analistas de mercado que traz, pela oitava semana consecutiva a elevação da projeção da inflação, novamente acima de 2% no fim deste ano. Além disso, os prognósticos de menor queda da atividade econômica este ano se repetiram mais uma vez.

 

PIB

 

Em uma sequência de quatro semanas, a projeção do PIB brasileiro voltou a avançar, mas se manteve sob uma queda intensa. A estimativa agora é uma retração de 5,02% do PIB em 2020, contra 5,04% da semana passada. Há quatro semanas, a projeção estava em -5,31%. Para 2021, a estimativa segue de crescimento em 3,50% e se manteve em 2,50% para 2022 e 2023. Leia mais

 

 

Indústria sente falta de insumos e pode até parar

Para 75% das empresas, a desvalorização cambial é o principal fator que gerou aumento de custos de componentes e matérias-primas, segundo sondagem de agosto da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), que reúne os fabricantes de equipamentos e componentes elétricos, para diversos setores industriais.

 

“Ninguém esperava a volta tão rápida da atividade, e os fornecedores estrangeiros aumentaram os preços”, segundo o presidente da Abinee, Humberto Barbato. Ele diz que os aumentos para resina plástica e cobre variam entre 30% e 40%. Leia mais

 

 

ENTREVISTA: ‘Otimismo com PIB de 2021 tende a mudar’

O ritmo de retomada da economia nos últimos meses criou um otimismo “exagerado” sobre o cenário de crescimento em 2021, que deve passar por grande revisão. A avaliação é do economista-chefe da Itaú Asset Management, Felipe Tamega, que considera os efeitos do fim do auxílio emergencial e a deterioração do quadro fiscal no País. Neste último caso, o economista afirma que parece não haver disposição no governo e Congresso para enfrentar o custo político do ajuste fiscal e o debate se inverteu, com a proposição de reformas para abrir espaço para mais gastos, e não para reduzi-los. “A discussão começa com o gasto e se fala em gatilhos para financiá-lo. Mas, com esse nível de dívida, a discussão tinha de ser como conseguir uma trajetória descendente dos gastos.” Leia mais

 

IPCA sobe 0,64% em setembro, maior alta para o mês desde 2003, diz IBGE

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve alta de 0,64% em setembro, depois de subir 0,24% em agosto, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira.

 

Foi o maior resultado para o mês desde 2003, quando a inflação foi de 0,78%. Leia mais

 

 

Conheça a Frente Corretora, navegue pelo nosso site.

 

 

 

 

pt_BR
en_US pt_BR